Home / Utilidade pública / Impostômetro da ACSP chega a R$ 2 trilhões terça-feira (6/11), às 9h45

Impostômetro da ACSP chega a R$ 2 trilhões terça-feira (6/11), às 9h45

Painel foi inaugurado pela Associação Comercial dia 20/4/2005, véspera de feriado de Tiradentes, com participação do ator Paulo Goulart, que representou um Tiradentes inconformado com a carga tributária do “Quinto dos Infernos” – o quinto (20%) que os brasileiros pagavam em tributos para Portugal

A cada dia, milhões de pessoas passam pela Rua Boa Vista, no chamado centro velho da cidade de São Paulo. Em meio a dezenas de prédios históricos ― como o Edifício Martinelli e o prédio do Banespa (hoje Santander) ― e em frente ao Pátio do Colégio, onde a capital foi fundada, está ele: um painel de 1,85 m de altura por 4,3 m de largura com um cronômetro que salta aos olhos. Incansável, ele não para de girar. Motoristas, pedestres, passageiros de ônibus, ciclistas: o painel do Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) chama a atenção de todos desde que foi implantado, há 13 anos.

Na próxima terça-feira (6/11), às 9h45, ele registrará nada menos que R$ 2 trilhões, muito antes do que em 2017, quando esse montante foi mostrado dia 6/12, denunciando a rapidez da mordida do leão.

A estimativa para arrecadação total em 2018 é de R$ 2,388 trilhões (contra R$ 2,172 trilhões no ano passado).

“A arrecadação está subindo, porém fecharemos o ano com déficit de mais de R$ 100 bilhões. Por isso a equipe econômica do próximo governo precisa focar no controle das contas públicas, manter o teto dos gastos e estimular a privatização de empresas estatais, diminuindo o tamanho do Estado”, comenta Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Mas, afinal, o que são todos esses números vultosos e assustadores – milhões, bilhões, trilhões de reais? É o tanto de dinheiro que os brasileiros tiram do bolso para pagar tributos ao governo federal, aos estados e aos municípios. O Impostômetro informa, em tempo real, os valores que vão para os cofres públicos.

História
O painel foi implantado pela ACSP no dia 20 de abril de 2005 para chamar a atenção da população para os valores que todos nós pagamos em tributos, que englobam impostos, taxas, contribuições e multas. A data não foi escolhida por acaso. Era véspera de feriado de Tiradentes. Na inauguração do painel, Paulo Goulart ― um dos mais aclamados atores brasileiros, falecido em 2014 ― subiu ao palco e representou um Tiradentes inconformado com a carga tributária do “Quinto dos Infernos” – o quinto (20%) que os brasileiros pagavam em tributos para Portugal pela exploração das riquezas naturais do Brasil colonial.

Essa foi a forma que a ACSP encontrou para alertar e conscientizar a população para o fato de que ela arca com tudo isso e, em contrapartida, não vê o dinheiro bem aplicado em saúde, segurança, educação. Isso porque o Brasil tem uma das mais altas cargas tributárias do mundo e não dá o retorno disso à sociedade.

Com o Impostômetro, espera-se que o cidadão se preocupe mais com a questão tributária, exija a contrapartida em serviços públicos e fiscalize como o dinheiro é aplicado. E essa bandeira não é só da ACSP, mas também de todas as Associações Comerciais paulistas reunidas na Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

IMPOSTÔMETRO R$ 2 TRILHÕES
ANO DIA E MÊS
2016 29 DE DEZEMBRO
2017 06 DE DEZEMBRO
2018 06 DE NOVEMBRO

Sobre rodrigo

Leia também

Fundo Estrela Guia aceita doações para Bazar da Solidariedade

Fundo Estrela Guia aceita doações para Bazar da Solidariedade

Evento já tradicional do Fundo Social de Solidariedade Estrela Guia e da Secretaria de Assistência …