Home / Cidades / Secretaria de Segurança Pública firma parceria para reforçar ações de combate à violência contra a mulher

Secretaria de Segurança Pública firma parceria para reforçar ações de combate à violência contra a mulher

O Projeto Integrar tem o objetivo de favorecer e facilitar a aplicação e a efetivação da Lei Maria da Penha

A Secretaria da Segurança Pública e o Ministério Público firmaram, nesta quinta-feira (12), um termo de cooperação para implementar o Projeto Integrar, que irá reforçar ações conjuntas entre os órgãos para o enfrentamento da violência contra a mulher.

“Hoje é uma data muito importante, pois estamos formalizando essa parceria para integrar a atuação das nossas polícias com o Ministério Público. Esse projeto vai possibilitar o aperfeiçoamento e a atualização da capacitação dos nossos policiais”, explicou o secretário da Segurança Pública Mágino Alves Barbosa Filho, durante o evento.

A medida foi assinada pelo governador Geraldo Alckmin, pelo secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e pelo procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Poggio Smanio. Durante o evento, Mágino anunciou a criação de um “Protocolo Único de Atendimento” para estabelecer um padrão de atendimento nas ocorrências de violência doméstica e familiar contra a mulher

A parceria tem o objetivo de favorecer e facilitar a aplicação e a efetivação da Lei Maria da Penha, através do constante aperfeiçoamento dos profissionais que lidam com essas vítimas.

“Esse projeto de integração é fundamental, pois tem como ideia melhorar todos os procedimentos de atendimento. Integrar as promotorias às delegacias e à Polícia Militar, de forma que a mulher possa receber esse atendimento e proteção onde quer que ela procure”, ressaltou o procurador-geral de justiça, Gianpaolo Poggio Smanio.

Para isso, o termo promove atividades conjuntas e intercâmbios de experiências, informações e conhecimentos para, entre outras coisas, aperfeiçoar policiais civis e militares, peritos e médicos legistas sobre questões jurídicas, históricas, sociais e culturais que envolvem a violência contra as mulheres.

“Vamos fazer um trabalho de integração com mais agilidade, rapidez, proteção e prevenção contra a violência doméstica”, destacou o governador Geraldo Alckmin.

Os policiais receberão cartilha e material didático de treinamento para a realização de curso e reuniões. A medida ainda prevê que sejam disponibilizados às vítimas, nas delegacias de polícia, material com informações sobre a rede de atendimento especializado.

Outra ação do projeto pretende estabelecer procedimentos-padrão conjuntos para melhorar o fluxo de informações entre as instituições, acelerar a tramitação dos autos, agilizar a investigação e aperfeiçoar as estratégias de proteção às mulheres em situação de violência.

O convênio, que terá vigor por cinco anos, será desenvolvido em duas fases, primeiramente na Capital e depois na Região Metropolitana e Interior do Estado de São Paulo.

Menor taxa de morte de mulheres

“Medidas como essa fazem com que São Paulo tenha não só as menores taxas de homicídio. Também a nossa taxa de feminicídio é a mais baixa do Brasil. Isso demonstra a nossa preocupação com esse tema tão importante”, ressaltou o secretário.

De acordo com o Mapa da Violência de 2015, o Estado registrou, em 2013, uma taxa de 2,9 homicídios de mulheres por grupo de 100 mil. O número é o menor de todo o país, atrás até mesmo da média nacional, que foi de 4,8.

A Capital também ficou abaixo da média nacional (5,5), com 2,8 feminicídios por 100 mil habitantes, conforme mostrado no gráfico a seguir.

O estudo mais recente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança, aponta que São Paulo foi o estado que teve a maior diminuição, em 10 anos (de 2004 a 2014), no número de homicídios de mulheres.

A queda no período foi de 29,3%, fazendo com que o Estado alcançasse a menor taxa do país – 2,7 homicídios por 100 mil mulheres. Com uma redução de 37,21%, a média de São Paulo foi também a que mais diminuiu na década analisada. Em 2004 a taxa era 4,3.

Ações de combate à violência contra a mulher

A SSP é pioneira no aprimoramento de políticas de segurança no combate à violência contra a mulher. Consolidado como o Estado com a maior estrutura da nação para o atendimento especializado à mulher, São Paulo conta com 133 Delegacias de Defesa da Mulher (DDM), ou seja, 35,8% de todas as DDMs do país.

As equipes das DDMs são preparadas e treinadas para atuar nessas delegacias. Elas passam por aulas específicas na Academia de Polícia, como uma abordagem diferenciada de Atendimento Público e Direitos Humanos, para prestar o melhor atendimento às vítimas.

Além dessa capacitação, as escolas de formação das corporações policiais também fornecerão cursos de atualização para os policiais sobre o assunto. A medida foi tomada após a SSP firmar parceria com o Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid).

Em setembro de 2016, outro termo de cooperação foi firmado com o MP e a Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania com o objetivo de promover a realização de cursos, no âmbito do Programa de Reeducação Familiar, para autores de violência doméstica.

Outra que medida que contribuirá no combate a esse tipo de violência é a que dará aos policiais militares acesso, nos tablets das viaturas, a dados sobre medidas protetivas e restritivas, além de informações criminais, que tenham sido aplicadas pelo Poder Judiciário.

Essa consulta permitirá ao PM saber se a pessoa abordada está descumprindo uma medida protetiva de violência doméstica.

Sobre rodrigo

Leia também

Últimas Indicações do vereador Cristovam são apresentadas na Câmara

Parlamentar de Carapicuíba faleceu no domingo (28), vítima de pneumonia Durante a 13ª Sessão Ordinária …